quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Black Friday (2004)

-

Black Friday, ou Sexta-Feira Negra, é oficialmente o filme de estreia de Anurag Kashyap. No entanto, a verdade é que Anurag já vinha se construindo um certo tempo antes. E essa construção significou não somente a direção de um curta metragem e a produção de vários roteiros, mas também a realização de um longa anterior a Black Friday, chamado Paanch, mas que por imposição do previsível destino, foi integralmente censurado. E por quê? Segundo ele próprio, porque falava de sexo, drogas e rock-n'-roll - e não da maneira romanceada de Bollywood, mas da maneira, digamos, mais real, conforme nós aqui já estamos acostumados.

Então ele resolveu que queria fazer um filme pra ser visto, e não censurado, mas que não saísse de sua própria proposta autoral e não mercadológica. Baseado num livro de Hussain Zaidi, fez Black Friday. Recriou a história que levou aos atentatos terroristas em Mumbai em 1993, até hoje os piores da história da Índia, dissecando personalidades, reconstruindo medos e objetivos e escancarando verdades.

E o filme entrou em cartaz em 2004? Não. Anurag ficou feliz por isso? Não. O governo da maior democracia do mundo não entendeu que Black Friday fosse uma obra de ficção e, pior, considerou que permitir que o filme entrasse em cartaz pudesse induzir os julgamentos dos acusados - que ainda esperavam por isso, onze anos depois. Anurag contestou, disse que era ficção, já que a imensa parte do filme é construída com diálogos inventados e são atores interpretando. "Mas os nomes são reais!", contestaram as espertas mentes reguladoras do cinema indiano.

Mas Anurag teve um trunfo: sua obra foi indicada ao prêmio de melhor filme no Festival de Locarno, e levou o prêmio no 3º Festival do Cinema Indiano em Los Angeles, ambos em 2004. O resultado é que o filme ganhou projeção internacional e, em dois tempos, já havia na Índia cópias piratas. Não levou muito tempo pra que alguém do governo indiano assiste ao filme e se surpreendesse com o fato de que Black Friday não havia entrado em cartaz no país. E foi quando a reviravolta ocorreu; em 2007, Anurag teria seu primeiro filme estreando na Índia, um ano após o julgamento dos acusados do atentado de 1993.

E a crítica indiana amou o filme, com uma média de quatro estrelas, ou mesmo a rara cinco estrelas dada pelo The Times of India. Na bilheteria, obviamente, não foi grande coisa, mas Anurag lançava-se como um grande e persistente cineasta indiano e o reconhecimento era unânime.

Black Friday é evidentemente um filme forte, mas que agrada muito quando o que se considera é a inovação cinematográfica, não necessariamente indiana. Existe uma série de experimentações, desde o uso de imagens monocromáticas, em azul ou em vermelho, em momentos que o espectador logo reconhece e assimila a intensidade e propósito da cena, até a intercalação com imagens reais documentadas por canais de televisão à época dos atentados.

Também agrada bastante o realismo das interpretacões, centrada sobretudo em Kay Kay Menon e Pavan Malhotra, ainda que em outros casos haja um exagero evidente, provavelmente pelo que o próprio Anurag afirmou em relação ao cinema indiano: há falta de atores realistas na Índia.

Black Friday começa com um suspeito sendo tortura...-interrogado- e dizendo que Mumbai será alvo de uma série de ataques terroristas. Cita os locais exatos, inclusive. A polícia ri da cara dele, considera impossível o que ele estava relatando, em desespero, mas três dias depois acontecem os atentados, matando mais de 250 pessoas e ferindo outras mil e muitas.

E a partir de então o filme percorre um tenso movimento da polícia contra os suspeitos, e vice-versa, construindo diálogos, torturas e revelações, relembrando momentos anteriores aos ataques - não em flashbacks, mas em sequências completas de reconstituição -, relatados pelos próprios suspeitos. A história termina com o começo, e não há problema em dizer isso aqui; o ciclo se fecha para a própria polícia, ainda que na vida real o desfecho com os acusados tenha se encerrado somente em 2006.

E mais uma trívia do filme: Danny Boyle afirmou que o filme é uma de suas inspirações para Quem Quer ser um Milionário?, sobretudo a cena de perseguição na favela - que, aliás, é um dos poucos momentos engraçados do filme.

Black Friday é recomendadíssimo. Anurag Kashyap lançou seus pilares definitivos sobre a Índia a partir de então e um séquito já percorre seus passos. Não encontrei um trailer do filme, mas passo aqui pra vocês uma das cenas que mais me surpreenderam em termos de atuação e diálogo. Não tem legendas aqui, mas vale assistir.

-

3 comentários:

Carol disse...

Entendi a coisa das imagens monocromáticas, mas faltou falar do que mais me interessa: as pessoas!

._.

Ibirá Machado disse...

É, acabei não falando da história em si, embora eu tenha feito um brevíssimo resumo do que se trata e por que meios percorrem, além de falar como Kay Kay Menon e Pavan Malhotra foram incríveis. Mas tá, farei um parágrafo resumindo a história um pouco mais longamente...

Carol disse...

Obrigada <3

Se não fala do povo eu não visualizo o filme, homem.