segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Love, Sex aur Dhokha (2010)

-

Daí o filme termina e você tá de boca aberta, emocionado, impressionado. Na verdade você já tinha ficado assim muito antes do filme acabar, mas aquele pianinho maldito teima em aparecer nos momentos chave e você teima em ficar emocionado. Que filme é esse, meu Deus?

Eu lembro que, pouco antes de Love, Sex aur Dhokha (Amor, Sexo e Traição) entrar em cartaz, em março de 2010, polêmicas rondaram o mundo do cinema indiano. A censura da democracia indiana baixou sobre Dibakar Banerjee, obrigando que ele cortasse ou mudasse cenas de sua obra, uma das mais revolucionárias da história da Índia. E cortasse o que? Cena de sexo, questões de castas entre personagens e letra de música. Coisas que a Índia ainda não sabe lidar, coisas comuns, coisas que fazem parte de um cotidiano quase desvelado, quase banal, quase aceito. 

E no fim, a censura (sob a égide do Central Board of Film Certification), deu uma classificação A pro filme, que restringe a obra somente para adultos, ou seja, acima de 18 anos. E para aqui minha compreensão ocidental a respeito disso; se o que vi em LSD foi muito menos explícito que em milhares de filmes do nosso lado do mundo, realmente não entendo o que pode um adulto indiano ver, de acordo com esse famigerado órgão podador do cinema indiano.

Mas polêmicas a parte, LSD é um filme mesmo bastante impressionante. Ele poderia bastar pelo conteúdo - que vamos tratar adiante - mas a forma por si só também impressiona. Dibakar Banerjee começou a revolução ao fazer deste filme o primeiro do cinema indiano a ser integralmente produzido digitalmente. É um pouco estranho pensar que isso só foi acontecer na Índia em 2010, mas no país das tradições, romper com o cinema da película pra passar pro mundo digital é efetivamente um passo imenso. Mas não era dessa forma que eu me referia no começo do parágrafo.

O filme é composto por três partes, cada parte conta uma história diferente e todas as três se entrelaçam. Até aí nada de tão especial. O que Dibakar optou por fazer foi abdicar da câmera do diretor, dos planos e contraplanos, das câmeras subjetivas e objetivas, pra assim compor cada história a partir de uma câmera que faça parte do nosso cotidiano, em maior ou menos grau.

É assim que na primeira história acompanhamos as dificuldades de um estudante de cinema que, para se formar, tem que apresentar um pequeno filme. E, dessa forma, vemos essa primeira parte a partir da câmera de Rahul, o estudante. Sabiamente, Dibakar escolheu essa história pra ser a primeira do filme, porque ela será a mais impactante de todas, a mais perversa e, todas as vezes que ela se cruzar com as duas outras histórias seguintes, qualquer clima que houver vai, inevitavelmente, virar emoção.

A segunda história se passa em uma espécie de loja de conveniência, ou mini mercado. Dessa vez vemos o filme a partir das câmeras de segurança dessa loja. A história de desenrola a partir da ideia brilhante (not really) de um dos funcionários de transar na loja com outra funcionária e, assim, gravar a cena com uma das câmeras da própria loja.

Finalmente, a terceira história é gravada com câmeras escondidas de um repórter frustrado. Na desilusão, ele se depara com uma dançarina talvez mais frustrada e desiludida que ele, mas que será seu trunfo jornalístico.

O filme é genial do começo ao fim. Voltando à primeira história, há toda uma sátira ao jeito indiano de ser com o cinema, que é impossível não rir, não achar bizarro, principalmente pelo fato de serem indianos (leia-se Dibakar Banerjee e sua equipe) zoando eles próprios. E como praticamente só indianos sabem fazer, é nesse jogo de sátira e realidade nua - eu disse nua - que está a grande sacada.

A crítica indiana recebeu o filme da melhor forma possível, sobretudo pelas atuações - impecáveis - de atores desconhecidos e pela excelente edição, além, é claro, pela originalidade da forma e do conteúdo. Mas, como não é surpresa, LSD não fez uma bilheteria boa. Atores desconhecidos, tema complexo e classificação etária para maiores de 18 anos é a receita certa pra fazer de um filme indiano um fracasso de bilheteria. 

Mas Dibakar fincou mais fundo sua bandeira na intersecção do cinema independente indiano com Bollywood, neste caminho sem volta. No Filmfare Awards entregue em 2011, o filme levou o prêmio de melhor edição e melhor desenho de som.

É isso, algo a não se perder e Dibakar é alguém a não se perder de vista. Se dizem que pra se chamar de "obra" alguém tem que ter feito mais de dez filmes, Dibakar Banerjee está indo no caminho certo com seus outros dois filmes, Khosla Ka Ghosla e Oye Lucky! Lucky Oye!.

Aqui vai o trailer de LSD:

-

12 comentários:

bárbara disse...

Há quanto tempo, Sr. Ibirá. Mas se é para fazer textos assim bons, nem me importo com esses teus longos períodos de Ramadão :P

Curiosidade: Babal da Vehra, de 2008, também alega ser o 1º filme indiano integralmente digital.

Ibirá Machado disse...

Ai, ainda bem que ganhei sua aprovação! dhaniyavaad!

Mas veja, esse Babal aí nem wikipedia tem... e agora?

bárbara disse...

É, eu já nem sei onde li :P
Mas é realmente digital, notei isso quando vi. Mas sinceramente, não acredito que nenhum dos dois seja o primeiro :D

Ibirá Machado disse...

Então vamos mudar o discurso: LSD é o primeiro filme digital de Bollywood :)

leo p.i.xx disse...

Ibirá, só porque o filme não tá na wikipedia em inglês, não faz ele pior ou melhor, ou muito menos faz ele deixar de existir, ainda mais tratando se de um filme Indiano (industria na qual lança mais de 1000filmes por ano)
te aconselho procurar esse filme no IMDB India, talvez vc axe informações lá...
Abraço e continue firme com o Cinema Indiano!

Ibirá Machado disse...

Oi, Leo, ele tá no IMDB, isso eu já tinha visto! É que IMDB não diz curiosidades, como se é o primeiro filme digital indiano, por exemplo. E nesse mundo de trivias, wikipedia ou nos salva, ou realmente consolida mentiras... e se "Babal Da Vehra" não tem wikipedia, só podemos acreditar na mentira (ou verdade?) sobre LSd ser o primeiro filme digital indiano! Mas isso foi mais uma piada interna entre eu e a Bárbara que qualquer outra coisa... :)

Flor Baez disse...

Ahhh! que vontade de ver o filme!!!!

Claudia Lopes disse...

Assisti ao filme sexta passada no MAM-RJ. Gostei muitíssimo! É um filme muito inteligente. É até um pouco difícil definir, porque as questões que ele coloca são tão duras - a da perda da inocência, da morte de qualquer possibilidade de ingenuidade - mas ao mesmo tempo, agarra nossa atenção com as histórias daquelas pessoas absolutamente comuns. Ele nos coloca na posição de voyeurs ao mesmo tempo em que critica toda a falta de ética envolvida nessa posição... enfim, mais até do que a emoção, ele mexeu com a minha reflexão. Valeu, Ibirá!

Ibirá Machado disse...

Oi, Cláudia! Obrigado por escrever!
De fato, esse filme é isso mesmo. Eu considero ele um dos melhores dessa seleção que fiz, ao menos nos sentidos da ousadia cinematográfica e na capacidade de realmente tocar a gente em um lugar ainda talvez obscuro.

Bollywood News disse...

I definitely wanted to write a quick word to say thanks to you for all the unique information you are giving out here. My incredibly long internet look up has finally been rewarded with reasonable insight to talk about with my visitors. I would express that most of us site visitors are very blessed to be in a fine community with very many outstanding people with great opinions. I feel rather fortunate to have come across your webpages and look forward to tons of more entertaining times reading here. Thanks once more for all the details.

Carol disse...

[não li nenhum dos comentários acima]

Minha sensação com este filme foi de ter levado um soco no estômago, mesmo que isto nunca tenha realmente acontecido comigo. Até hoje não consigo dizer que seja um dos meus favoritos exatamente por ter me assustado tanto, mas como comentei dia desses sobre Salaam Bombay, este filme foi uma grande experiência. Eu estava lá com eles. Talvez seja este o problema: conseguir "estar" em um filme no qual só acontecem eventos assustadores. Lembro de pausar depois da primeira história e ficar sentada quietinha, meio ofegante, pensando se ia aguentar ou não o resto. É, foi uma experiência muito intensa mesmo.

Ibirá Machado disse...

Eu compartilho contigo, Carol. Esse filme não está exatmente entre os favoritos, mas é definitivamente um dos que mais invadiram meus limites sensitivos dentro do cinema indiano.