sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

My Name is Khan irrompe contra islamofobia em Festival de Berlim

-

Publicado pela EFE Brasil e retransmitido pelo Último Segundo, passo a vocês o que foi dito a respeito da premiere de My Name is Khan no Festival de Berlim, conforme já havia sido anunciado aqui. Mas antes de vocês lerem a reportagem, é muito importante que seja esclarecido algo muito grave que está ocorrendo agora na Índia e que o artigo não diz.

Tudo começou quando Shahrukh Khan fez um comentário que deveria ser inofensivo, mas que na Índia, ao contrário, acabou por dar fagulhas ao curto pavio da montanha de pólvora que é a relação entre Índia e Paquistão. Ele apenas apoiou um ministro paquistanês que lamentou o fato de nenhum jogador de críquete do Paquistão ter sido selecionado para a competição indiana de times de críquete, a IPL Twenty20. Com esse comentário, um político indiano  (o do meio nesta foto) instou os partidos hindus radicais a organizarem protestos de repúdio a Shahrukh Khan. 

E como o filme My Name is Khan também estreou hoje na Índia, atacar os cinemas que ousassem exibi-lo seria uma excelente estratégia. E de fato dois pequenos cinemas foram destruídos em Mumbai e outros tantos tiveram seus cartazes queimados.

Com medo, vários multiplexes retiraram o filme que entraria em cartaz hoje e outros tantos decidiram que exibiriam o filme em uma sessão do dia, somente, aproveitando a  sem precedentes proteção da polícia que o governo do Maharashtra estava oferecendo (na foto acima, o governador do Maharashtra, à esquerda, que prometeu proteção também a Shahrukh Khan). Mais de 1100 pessoas foram presas em Mumbai por depredação de cinemas nesta semana. Estes mesmos grupos hindus radicais ameaçam matar Shahrukh Khan se ele voltar para Mumbai, que é onde mora. A estreia do filme, no entanto, acabou ocorrendo sem que nada grave ocorresse, embora em número reduzido de salas.

E um detalhe histórico: foi desses mesmos grupos hindus radicais que saiu o assassino de Mahatma Gandhi.

E agora vamos à reportagem:

"My Name is Khan" irrompe contra islamofobia em Festival de Berlim
12/02 - 19:04 - EFE

Berlim, 12 fev (EFE). - A superestrela do cinema indiano Shahrukh Khan se destacou hoje no Festival Internacional de Cinema de Berlim com "My Name is Khan", no formato Bollywood, contra a islamofobia surgida após os ataques de 11 de Setembro nos estados Unidos.

Khan, ídolo de multidões na órbita "bollywoodiana", repartiu seu habitual recital de galanteios, sorrisos e olhares intensos, só que em vez de defender uma superprodução musical fazia-o como defensor da harmonia ecumênnico.

"Não importa que abracemos o Corão, a Bíblia ou a Torá. Todos podemos conviver se utilizamos a mesma plataforma de diálogo. Um filme pode ser essa plataforma", disse, após a apresentação do seu filme, incluído na seção oficial, embora fora de concurso.

Excessiva, não só pela duração - 167 minutos -, mas também pelas emoções e mensagens pseudo-políticas, seu filme é demasiado forte para um festival internacional.

Dirigido por Karan Johar, "My Name is Khan é, admite o protagonista, um "filme ingênuo", centrado em um ser ingênuo - um muçulmano com um leve autismo, que percorre os Estados Unidos para transmitir uma mensagem ao presidente: "Meu nome é Khan e não sou um terrorista".

Seu propósito é "discutir paranoias". No filme, ele aborda felicidades e dramas públicos ou privados, com a meta de chegar aos dois presidentes, que sintetizam o período transcorrido entre o 11 de setembro que mudou o mundo e hoje, George W. Bush e Barack Obama.

As cenas distinguem claramente o mau e o bom, sem dissimulações.

O ator deixou assim de lado a faceta de galã e se introduziu no papel de um indiano da minoria muçulmana - como ele -, apaixonado por uma bela mulher da maioria hindu - como é sua esposa, na vida real - e que sofre na própria pele nos EUA a paranoia islamofóbica após os atentados de 2001 - como na vida real.

"Não, não fui detido nos EUA. Só me formularam durante horas perguntas e mais perguntas, por mera desconfiança contra os muçulmanos", explicou. Para ele, essa é a realidade de tantos outros muçulmanos que, ao contrário dele, não são identificados como superestrela de Bollywood. EFE

[Clique aqui e veja a postagem sobre o filme]
-

15 comentários:

Pedro disse...

Gente até agora não me conformo com o que está acontecendo...

Gori disse...

Acabei de voltar do cinema.
Adoro Sharukh, gostei do filme, me emocionei.
Até eu sinto pre-conceito... não importa quão bollywoodiano seja esse filme, o tema é muito pertinente.

Hindus e Muçulmanos no cinema, todos gostaram.

E tem umas partes bem engraçadinhas.

Valeu a pena!! :)

Ibirá Machado disse...

Yey! Thanks, Gori! :)

Vinicius disse...

estou com medo pelo SRK espero que nada de mal aconteça com ele.

Ibirá Machado disse...

Amém!

Lívia disse...

Eu fico impressionada com as mazelas da'lma como o fanátismo,os fanáticos se apegam a qualquer fala por mais tola que seja e transforma isso num motivo de guerra, perseguição, são pessoas doentes infelizes que veem na destruição uma forma de compensação as suas frustações
As justificativas desse político são injustifícaveis, infundadas o que o filme tem haver com uma declaração que no meu ponto de vista é sensata já que SRK ve os paquistaneses como seres humanos, atletas que tem sonhos e não como inimigos.
Outra coisa que fico pasma é o preconceito que tem com o cinema indiano vi vários textos que rodaram o mundo hoje e uns escritos no começo da semana sobre o filme, como gostam de rotular, inferiorizar, tem uns jornalistas babacas que nem se permitem conhecer e logo escrevem críticas idiotas achando que são donos da verdade, eu não vi o filme mas eles adoram afirmar que os filmes é cópia de filmes americanos ou é uma colça de retalhos dos mesmo em muito casos são mesmo mas nem sempre é assim desprezam a criatividade e o talento.
O SRK está certo ela brilha, não se ofusca, defende seus ideais, achei brilhante a resposta que deu ao tal político "primeiro me digam o que fiz de errado se provarem que estou errado eu peço desculpa". A arte é uma bela forma de conscientizar mentes e abrir novos horizontes.
Eu achei bem bolado o nome do filme coincidir com o nome do protagoista Khan, esse sobrenome deve ser bem comum tipo Silva por aqui.
Apesar do boicote que estão tentando forçar na India esse filme tem tudo pra estourar nem que seja no exterior e como na India eles adoram comprar uns DVDs piratinhas como ocorre também aqui no Brasil eles acabam vendo o filme hehehehe.

Ibirá Machado disse...

O boicote acabou não pegando. Pelo que vi por aí na net, graças ao policiamento e tal as sessões ficaram lotadas e, como sempre, as pessoas já anteciparam a compra de seus ingressos para a semana que vem, ou pra outra. Algumas salas esgotaram rapidinho os ingressos disponíveis para os próximos dias. Também pudera, esse filme estava sendo MUITO aguardado.

Sobre o sobrenome Khan, basta ver dentre os atores mais famosos de Bolly... o que mais há são Khans...

Priscila disse...

Apesar da minha indignação diante do acontecido e de toda essa injustiça baseada no fundamentalismo (leia-se ignorância), também percebi o lado positivo no meio de tanto absurdo. Pelas notícias e twittes que li as pessoas estavam indo em grandes grupos para o cinema, pelo menos em Déhli as pessoas estavam indo ao cinema com faixas em demonstração de apoio ao SRK.

Nas situações de decadência como essa as pessoas se erguem com mais força em busca da paz e de mais compreensão!

Lógico que não seria preciso isso tudo acontecer, mas ás vezes só assim enchergamos a força que a união pode ter.

Assim como disse SRK, nesse dia ele não foi um herói, ele foi só mais um fã assistindo vários heróis enfrentando o perigo por um ideal!

Esse episódio de ignorância só fez MNIK mais do que um filme!

:)

Patrícia Cassolatto disse...

Ai minha nossa, como isso de paises vizinhos brigando me irrita! Eu sei que é um prolema brasileiro também, mas será que na India não tem nada mais para os indianos se rebelarem não? Gostaria muito de assistir ao filme,a credito que seja ótimo... e gente é só arte plssssssssss tem gente ruim em todo canto.Até parece que só tem santo na índia afee to irritada.

Guacira disse...

Ainda bem que ele tem o cinema para levantar essa bandeira, por assim com ele foi " entrevistado" nos EUA, quantos anônimos não passaram por situação pior...Assim como no brasil negros são confundidos com bandidos...e nunca nos lembramos que a maioria dos políticos e chefoes do trafico são brancos...Parabens SRK.

Ibirá Machado disse...

Priscila e Guacira, vocês têm toda razão!!

Om Shanti Om!!!!

Sandra Bose disse...

Ha 2 anos atras SRK havia sido jurado de morte no Paquistao, agora na India, mas creio que Rahul Gandhi eh um candidato MUITO maior ao assassinato do que SRK, que no fundo, todos gostam ;)
O dia que puder assista ao filme OMKARA que mostra bem a sujeira da politica indiana que ainda recorre a cangaceiros para matar adversarios politicos e causar baderna social.

Ibirá Machado disse...

Você tem razão, Sandra, Rahul Gandhi (e Sonia também?) corre(m) muito mais risco...

E sim, Omkara está na lista ;)

Lívia disse...

Shah Rukh Khan é o galã dos galãs do Festival de Berlim

http://br.noticias.yahoo.com/s/15022010/40/entretenimento-shah-rukh-khan-gala-dos.html

Carol disse...

Nossa, faz muitos dias que nem pensava mais nessa situação do MNIK.

Enfim, já gastei todas as minhas forças com esse assunto, grande parte delas empregadas em uma discussão um pouco cansativa com um indiano que me disse para não defender o direito de Shahrukh Khan expressar seu apoio ao inimigo.Sério, toda essa discussão me deixou até fisicamente exausta.

Omkara [737868764]