quarta-feira, 9 de junho de 2010

Mr. and Mrs. Iyer (2002)

-

Hoje serei obrigado a iniciar este post repetindo as palavras já ditas sobre este filme no Grand Masala: que achado! Tenho que dizer que Mr. and Mrs. Iyer é um filme absolutamente lindo e extremamente sensível.

Escrito e dirigido por Aparna Sen, renomadíssima atriz e diretora bengalesa, o filme estrela dois dos mais refinados atores do cinema indiano atual: Rahul Bose e Konkona Sen Sharma (filha de Aparna). Tendo sido realizado num momento delicado para a Índia e para o mundo na questão do terrorismo e da intolerância (11/9, ataques ao parlamento indiano em 2001, massacres no Gujarat em 2002), Aparna Sen conseguiu transpor para uma realidade de extrema tensão e fragilidade a delicadeza da construção do amor, da tolerância e do desapego.

O filme começa com Meenakshi Iyer (Konkona Sen Sharma) embarcando num ônibus para ir embora da vila de seus pais, no interior do West Bengal, em direção a Calcutá. Meenakshi é apresentada a Raja Chowdhury (Rahul Bose), através de um amigo em comum, para que ele dê o suporte necessário a ela durante o trajeto, já que ela estaria com seu bebê, Santhanam. Seu marido a estaria esperando numa estação de trem, em Calcutá.

E então a viagem começa. O ônibus carrega um pouco de toda a Índia dentro de si: uns sikhs, um casal de velhinhos muçulmanos, alguns adolescentes barulhentos, alguns hindus, um judeu... Meenakshi e Raja não sentam juntos, mas o incômodo provocado pelo choro contínuo de Santhanam força a junção de ambos, até porque pensam que eles são casados.

Mas então, mais pra frente, a estrada está congestionada e o ônibus para. Logo chegam as informações de que hindus radicais estavam provocando aquilo, em resposta ao ataque de muçulmanos a uma vila hindu no dia anterior. Um pouco depois, então, é imposto um toque de recolher e todos devem permanecer dentro dos veículos, sob risco de serem atacados. E, neste momento, Raja conta a Meenakshi que é muçulmano, que seu nome é Jehangir e que Raja é apenas um apelido. Ela fica estarrecida e sentindo-se poluída e traída, por ter bebido água da garrafa dele, sendo ela uma brâmane.

Mas é então após isso que um dos radicais hindus força a porta do ônibus e entra, à procura de muçulmanos. Ninguém se entrega, obviamente, mas o terrorista começa a pedir para que os homens abaixem a calça para ver se são, ou não, circuncidados (característica do islamismo). Neste instante, o judeu que também estava no ônibus fica apavorado, já que ele também é circuncidado, e, num ato de desespero e defesa própria, aponta pro casal de velhinhos muçulmanos. O terrorista, então, imediatamente pega o velho indefeso para tirá-lo do ônibus. Raja fica revoltado, mas Meenakshi no mesmo instante coloca seu filho no colo dele. E é quando o terrorista pergunta a identidade deles, ao que Meenakshi responde "Sr. e Sra. Iyer". Crendo serem ambos hindus, o terrorista vai, então, embora do ônibus.

Os passageiros passam a noite no ônibus, privados de tudo. Na manhã seguinte, porém, todos vão à vila mais próxima a procura de acomodação, mas Raja e Meenakshi não encontram lugar. Um prestativo policial, no entanto, oferece a eles levá-los a um casarão semi-abandonado no meio da floresta, onde talvez eles pudessem se hospedar. Chegando lá, um senhor, habitante do local, mostra a eles a única cama disponível, no único quarto "habitável", sendo que tudo, porém, estava debaixo de muita poeira. Meenakshi fica inconformada que terá que dormir ali, mas aceita, rejeitando, contudo, que Raja dormisse no mesmo quarto que ela.

Ao acordar, na manhã seguinte, fica furiosa ao não encontrar Raja, pensando que ele tivesse ido embora, deixado ela e seu filho para trás, naquela situação. Mas eis que ela vê Raja deitado sob as árvores e fica realmente feliz. Ele é fotógrafo de vida selvagem, tendo viajado pra muitos lugares naturais, estando acostumado a dormir em condições precárias de habitação.

E vai, melhor parar por aqui. Digo que, de todos os filmes que vi com a Konkona, este considero seu melhor trabalho. Ela mesma justifica o mérito dizendo ter se dedicado à pesquisa do filme junto de sua mãe, durante a construção do roteiro, o que a garantiu tempo suficiente pra sentir a personagem e entregar-se durante as filmagens. Já Rahul Bose é sempre excelente.

Acho lindo o jeito com que Aparna construiu a história, fazendo com que as diferenças de religião de ambos se diluam em meio às imposições da realidade e, principalmente, do amor. A trilha sonora é também de uma delicadeza à parte, composta pelo excelente Ustad Zakir Hussain. A música Don't Look Away, marcando os minutos finais da obra, reforçam a que talvez tenha sido a maior angústia que já senti no fim de algum filme.

E, finalmente, Mr. and Mrs. Iyer levou alguns prêmios de melhor filme e melhor direção em alguns festivais de cinema ao redor do mundo. Dentro da Índia, o National Film Awards deu à Aparna o prêmio de melhor direção e de melhor roteiro, e à Konkona o prêmio de melhor atriz.
-

10 comentários:

barbie-o disse...

Lindo e recomendadíssimo!

Sandra Bose disse...

Tambem gostei muito deste filme que assiti ja fazem uns anos atras.
Claro que no final eu gostaria que ela tivesse escolhido ficar com o personagem do Rahul Bose. Por falar nisso o personagem dele me lembrou muito personagem semelhante no filme estadunidense As Pontes de Maidson. Vc assistiu?

Vinicius disse...

uau Ibirá esse filme deve ser excelente fiquei com vontade de assistir! ainda não vi nada do Rahul e adoro a Konkona!

Vinicius disse...

Ibirá achei a legenda em pt-pt desse filme! só não sei se tá boa e também não sei qual é o torrent certo para ela rsrs

Abraços

Ibirá Machado disse...

Vini, é lindo, assista. Eu vi em inglês, então não sei dizer de qual torrent é essa legenda. Mesmo assim, nada que não se possa sincronizar, se for o caso! Coloca a legenda lá na comu! :D

Abração

Vinicius disse...

hahahaa Ibirá eu me enganei hahahaha a legenda que achei é de outro filme só agora que vi rsrs
o filme que peguei é Mr. And Mrs. Smith

foi fallha no engano! rsrs

ai tinha ficado tão feliz de ter achado rsrs

Vinicius disse...

pena mesmo hahaha

Ibirá Machado disse...

Hahahahahaha, que pena!!

Pri disse...

Bela descrição!! Deu vontade de ver agora esse filme!

Ibirá Machado disse...

Hahaha, a ideia, quanto escrevo de algo que gosto, é convencê-los a ver, mesmo! Veja! :D