quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Bollywood - बॉलीवुड - Segunda Parte



Conforme o combinado, aqui vai a segunda parte da postagem sobre Bollywood!


Bom, já dissemos, mas vamos ressaltar que a grande fórmula de sucesso de Bollywood são as famosas cenas de song-and-dance (música e dança). O fato é que, embora muitos filmes já estejam deixando de fazê-las – ou ao menos deixando de fazer a parte dance e deixando apenas o song – a maioria dos grandes sucessos recentes valeram-se disso. Quanto melhores as coreografias, quanto melhores as músicas e quanto mais famosos os atores, maior será o sucesso. Também já disse na postagem sobre Taare Zameen Par que as músicas dos filmes, geralmente, são lançadas nas rádios antes mesmo do lançamento dos filmes nos cinemas, de tão importantes que são.


E talvez muitos não saibam, mas as músicas dos filmes não são cantadas pelos atores, mas por cantores profissionais. Os atores apenas fazem o playback nas cenas de song-and-dance, como se eles mesmos cantassem. E muitos desses cantores profissionais acabam também ficando famosos, lançando, por vezes, seus discos independentes (o que não é assim tão comum de ocorrer, na verdade, já que indianos só escutam as músicas dos filmes). A cantora que ficou mais famosa, e ainda vive, é indiscutivelmente Lata Mangeshkar.


Outro fato é que a grande função de Bollywood é o entretenimento antes de tudo. Por isso mesmo, o público que paga quer mesmo é ser entretido. Indiano tem um pouco de preguiça de pensar, essa é a verdade, então os filmes não podem, assim, ser muito profundos e ter muita lógica, mas apenas entreter. Isso, por lá, é chamado de paisa vasool, ou seja, algo como fazer valer o dinheiro dispendido.


Mas, conforme já dito na primeira postagem sobre Bollywood, novos ventos sopram do oeste, e o modelo ocidental de cinema parece estar chegando para ficar, ou ao menos ganhar o seu terreno. Outro fato que consta nos registros é que, ao que parece, muitos dos primeiros filmes indianos, pré-independência, tinham cenas de beijo e até sexo, mas foi pós-independência, com um governo 100% indiano, que isso tudo foi censurado. Agora a sociedade pede por mudanças.


A falta de interesse que havia por real qualidade das produções também se manifestava na imagem e no som. A despeito da quantidade de dinheiro que circula por Bollywood, até hoje muitos filmes são gravados com câmeras obsoletas, que captam imagens de baixa qualidade. Além disso, por incrível que pareça, até o ano 2001, os sons dos filmes não eram captados na hora da gravação, mas inteiramente recriados em estúdio. Isso mudou somente com o filme Lagaan (2001), em que o ator Aamir Khan insistiu que a produção fosse filmada com captação de sons conjunta. Não é necessário nem dizer que isso passou a dar mais realismo às produções. Depois disso não só Bollywood, mas também outras indústrias passaram também a captar os sons na hora da filmagem.


Agora vamos falar sobre uma questão um tanto polêmica para Bollywood: seu financiamento. Todos sabemos que muito dinheiro rola nas produções do cinema hindi, mas o pior disso é que todo esse financiamento não é controlado por ninguém, principalmente por Bollywood não ter exatamente uma sede. Até pouco tempo, bancos e instituições financeiras não podiam investir em produções de cinema, o que ficava a cargo de pequenas e grandes produtoras de Mumbai. Mas embora hoje os bancos possam investir em Bollywood, más línguas afirmam que a principal fonte de dinheiro da maior indústria de cinema da Índia sai mesmo é da máfia.


O livro McMafia: A Journey Through the Global Criminal Underworld (ou, na edição brasileira, McMafia: Crime sem Fronteiras) cita Bollywood como um importante “nó” da máfia mundial. Não só produtoras, mas também diretores e atores estariam envolvidos com o crime e contrabando mundial, utilizando os filmes para lavar dinheiro. Mais ou menos como o jogo do bicho e o carnaval, aqui no Brasil, salvas as devidas proporções.


O caso mais emblemático – e complexo, eu diria – é do ator Sanjay Dutt. Um dos atores mais famosos de Bollywood até hoje, Dutt, filho de deputado, esteve declaradamente envolvido com ao menos um atentado a bomba que ocorreu em Mumbai, em 1993. Ele chegou a ser preso e ficar um ano e meio na prisão, quando acabou solto. O processo segue até hoje, porém, enquanto Dutt faz sua fama em Bollywood, que parece conspirar a seu favor. Nesse meio tempo, ganhou diversos prêmios, dentre eles dois de melhor ator pelo Filmfare Awards, a maior premiação de Bollywood. Um deles foi entregue em 1994, um ano após os atentados a bomba.


O maior golpe de Bollywood a favor dele, porém, foi o lançamento do filme Lage Raho Munnabhai, o segundo de uma série em que ele interpreta um integrante de uma gangue – curioso, não? Acontece que neste filme, Dutt, no papel de Munnabhai, acaba recebendo a visita do espírito de Mahatma Gandhi, que mais ou menos o converte para a não-violência e firmeza com a verdade (ahimsa e satyagraha). O filme acabou emocionando muita gente, mas o maior de seus efeitos foi fazer uma nova geração indiana aprender a gostar de Gandhi, após duas gerações que o odiavam. Assim, a máfia não só lava seu dinheiro com Bollywood, como também, de alguma maneira, lava a cara de seus membros, fazendo a cabeça do povo indiano.


Bom, e diferentemente das outras indústrias regionais de cinema da Índia, Bollywood consegue fazer bastante sucesso também no exterior. Os países vizinhos (Bangladesh, Nepal, Sri Lanka, Afeganistão e mesmo Paquistão) são os maiores mercados externos, mas há crescente interesse no oriente médio, Israel e Oceania. A antiga União Soviética era um grande mercado, hoje mais restrito à Rússia, que costuma dublar as produções. Nos anos mais recentes, com o crescimento das colônias indianas na América do Norte e na Europa, essas regiões também estão presenciando um crescimento das exibições de produções bollywoodianas por lá. Na América do Sul praticamente não há conhecimento sobre Bollywood, com exceção de Suriname e Guiana, que têm quase metade de suas populações descendentes de indianos; situação semelhante é observada na África, onde Bollywood é mais conhecida na África do Sul, onde há a maior colônia de indianos fora da Índia.

3 comentários:

Yuri disse...

Muito Legal o Blog
Parabéns!

Lígia disse...

"Indiano tem um pouco de preguiça de pensar" hahahaha sem comentários;
Eu não sabia de todo esse rolo com o ator de Munnabhai...
o filme é realmente bom (e viva a Vishala que mandou ele pra cá! :P)

Profª Sandra Bose disse...

Fala serio Ibirah o que salva MUITOS filmes de Bollywood sao justamente as cenas de musica e danca!!
Embora ultimamente (ultimos 5 anos) a qualidade dos filmes e seus temas tenham melhorado bastante!! :)