domingo, 31 de maio de 2009

Saawariya (2007) - सावरिया

-

Saawariya (Amado/a) é um filme bem tipicamente bollywoodiano, ainda mais tendo sido dirigido por Sanjay Leela Bhansali, que em sua curta filmografia, dirigiu dois dos filmes de maior sucesso de público e de crítica na história de Bollywood: Devdas e Black.

Embora eu tenha feito um super elogio para o filme Black, o mesmo não foi dispendido na minha crítica a Devdas, mas pouparei Saawariya. Pra começar, neste filme Sanjay Leela Bhansali seguiu o seu estilo e fez um filme cem por cento em estúdio, com cenário propositadamente exagerado e atuações também propositadamente forçadas. Além disso, o filme se passa inteirinho à noite, facilitando questões de cenário e iluminação. Não que eu não goste disso, um filme pode ser muito bem feito dessa maneira. Aliás, eu gostei de Saawariya, eu poderia dizer que ele é um filme bem bonitinho, mas não passa muito disso. Os personagens são caricatos, o cenário é caricato e quase surreal até, tem uma boa dose de song-and-dances no meio das duas horas de filme, e é uma simpática história de amor-utopia.

E eu diria que, talvez, as atuações dos dois então estreantes Ranbir Kapoor e Sonam Kapoor (que fizeram os protagonistas) foram bem importantes para o filme. Eu digo isso pensando na ideia inicial de Sanjay de colocar como protagonistas Salman Khan e Rani Mukerji (que acabaram sendo coadjuvantes). Acho que a aposta de Sanjay de colocar rostos desconhecidos para os papéis principais foi uma boa sacada, contribuindo mais ainda com o clima bucólico-surreal e mesmo delicado da trama. E esse nem é o estilo de Sanjay, já que em Devdas os protagonistas foram nada mais que Shahrukh Khan e Aishwarya Rai e em Black foram Amitabh Bachchan e a mesma Rani Mukerji que aparece de novo aqui, como coadjuvante. E por Saawariya, Ranbir Kapoor levou o prêmio de melhor ator estreante no Filmfare Awards.

A história do filme é baseada no livro Noites Brancas do russo Fiodor Dostoievski, conforme é dito assim que o filme começa. Toda a trama se passa numa cidade fictícia e é narrada por Gulabji (Rani Mukerji), uma das mais conhecidas prostitutas locais, que conta então a história de Ranbir Raj (Ranbir Kapoor). Raj é um misterioso rapaz que aparece na cidade dizendo ser músico e logo começa a trabalhar no bar RK, o preferido de Gulabji, que se encanta pelo ingênuo e inocente músico. Procurando um lugar pra morar, Raj encontra a pensão de Lilian (Zohra Segal, na época com 95 anos), uma simpática velhota, que ele logo apelida de Lilipop. Os dois acabam por se adotarem como mãe e filho.

Andando pela cidade numa noite (sempre é noite no filme, ok), Raj esbarra com uma misteriora mulher que está chorando sobre uma ponte. Ele logo descobre que ela é Sakina (Sonam Kapoor), mas não consegue entender o porquê da tristeza em seus olhos. Obviamente, no mesmo instante ele apaixona-se por ela, mas quando decide por revelar seu amor, descobre que ela espera há um ano por seu grande amor, Imaan (Salman Khan). Raj, no entanto, não consegue disfarçar seu sofrimento e declara-se para Sakina, dizendo que Imaan jamais apareceria.

Mas eis que o final não é bem favorável a ele, embora, confesso, eu tenha achado bem bonitinho na maneira com que aconteceu.

Eu não li o livro de Dostoievski que inspirou esse filme, mas soube que seu nome, Noites Brancas, deve-se ao fenônemo que ocorre no verão das regiões perto dos pólos, quando o sol não se põe durante algumas noites. O livro se passa justamente durante essas "noites" claras, brancas, portanto, de São Petersburgo, na Rússia. No filme as noites não são brancas, mas ao contrário, são escuras e frias. Mais pro final neva (será a noite branca?), e senti que Sanjay fez um certo resgate do momento poético da neve que ele já havia feito em Black. E depois de saber que o livro originalmente se passa em São Petersburgo, entendi muito melhor a cidade fictícia criada para o filme, totalmente europeia, além de ter uns certos canais no meio, à la Veneza, com direito a gôndolas e tudo - São Petersburgo é chamada de "A Veneza da Rússia".

E fiquei sabendo, depois, de uma outra curiosidade importante: Sanjay Leela Bhansali é grande admirador da obra do finado Raj Kapoor, considerado por muitos o "Chaplin da Índia", e que, portanto, a primeira cena do filme seria uma homenagem à obra Barsaat (1949), que consagrou Raj Kapoor. Além disso, o bar "RK" é uma homenagem direta a ele. Não só bastasse isso, Ranbir Kapoor é nada mais que seu neto.

E se tinha momentos no filme que eu ficava mais feliz que o normal era quando aparecia Lilipop, a velhota dona da pensão, que era uma graça. Infelizmente ela não aparece tanto, mas gostei muito de vê-la.

O filme não fez tanto sucesso na Índia, embora no exterior tenha sido bem recebido. Foi a primeira produção de Bollywood a ser coproduzida por um estúdio de Hollywood, a Sony Pictures Entertainment. Quando lançado, produtores de Kollywood acusaram Sanjay Leela Bhansali de estar plagiando o filme tamil Iyarkai, mas a acusação não se sustentou pois os filmes são muito diferentes. No entanto, ambos eram baseados no mesmo livro Noites Brancas, obviamente justificando alguma semelhança.

E vejam o trailer do filme a seguir.



Colaborou: Barbarella

14 comentários:

barbarella disse...

Ainda bem que gostaste, eu acho este filme muito fofo.

Acho que é como um sonho, tem coisas estranhas, personagens exageradas mas acaba tudo por fazer algum sentido.

E concordo am absoluto, a Lilipop rouba todas as cenas, é um doce de senhora!

Só por curiosidade, a primeira imagem é uma homenagem ao poster do filme Barsaat de 1949, que originou o logotipo da produtora de Raj Kapoor. Pelo menos eu acho que é uma homenagem e não um plágio :P

Crimarso. disse...

Eu tenho o filme, aliás foi o primeiro filme indiano que ganhei... bem legal ,, beijos

Ibirá Machado disse...

Barbarella, adorei saber isso! Eu sempre procuro ler curiosidades sobre os filmes que vou escrever, mas dessa vez esse adendo me escapou! Agora fez sentido inclusive o nome do bar, RK, que é mais uma homenagem à Raj Kapoor, o Chaplin da Índia :)

Gostei mesmo de saber. Com certeza não é plágio não, porque o Sanjay Leela Bhansali não é disso, embora ele até hoje não tenha feito algo 100% original.

E com sua permissão, irei atualizar essas informações na própria postagem, ok?

Bahut bahut dhanyavaad!

barbarella disse...

Claro! Aliás, o Raj Kapoor é parente do Ranbir Kapoor, só não percebi em que grau :P

Ibirá Machado disse...

Ranbir Kapoor é neto de Raj Kapoor!

barbarella disse...

Ok, então é isso. Eu comecei a pesquisar na Wikipedia mas fiquei com os olhos trocados de tantos Kapoors!

Luiz लुईज़ disse...

Bom td mundo sabe que eu adoro esse filme neh? Muita gente reclamou que tem muita música,, mas eu adorei elas. Acho sim o Sanjay Leela over dramatic e Saawarya não escapou disso, mas eu acabei gostando dele aqui! Não vou muito com a cara do Ranbir, acho ele meio canastrão, mas não acho que ele tenha comprometido o filme afinal.

Ibirá Machado disse...

Ah, eu também gostei das músicas! Tem filmes que eu acho que estraga um pouco o clima, como achei em Ghajini, mas em Saawariya em nenhum momento achei que não colasse.

FRIZERO disse...

"Noites Brancas" é um livro lindo de Dostoiévski e já rendeu inúmeras adaptações no cinema, mas desconhecia esta de Bollywood, fiquei louco para ver!

Obrigado pela dica!

Mariane Cordeiro (MaRy CaNdY) disse...

oi !
queria saber de onde são essas fuguras que vc colocou aí!
principalmente essa de um rapaz com um violão.
obrigada

Ibirá Machado disse...

Oi Mariane, sua dúvida é onde encontrei essas fotos? Bom, o onde exatamente eu não tenho mais como lembrar, mas todas as imagens que coloco aqui no Cinema Indiano eu retiro do Google. Certamente eu escrevi no Google o nome do filme, "Saawarya" e vi as imagens disponíveis. Por vezes também acrescento na procuro o nome do filme mais o nome de algum ator, nesse caso da foto o Ranbir Kapoor. É possível que eu tenha encontrado a foto assim, mas confesso que não lembro mais!

Om Shanti

madhu disse...

Ví este filme no cinema no dia da estréia, em Varanasi (India). Adorei!!! É um filme pra relaxar, gostoso de ver...
:-)

Anônimo disse...

Vi este filme pela tv Cinemax, adorei, gostei muito muito interessante, a primeira vez que assisti um filme indiano moderno, o cara dançando de toalha é show de sensualidade.
Ele é muito sex.

Ibirá Machado disse...

De fato essa cena da toalha é quase que um marco do filme.

Eu super espero que esse filme seja, então, o primeiro de vários que você vai ver agora do cinema indiano! Bem vindo/a à turma! :D